quarta-feira , agosto 15 2018

Agronegócio brasileiro e o apetite da China

A explosão do consumo de alimentos na China mudou a trajetória do agronegócio brasileiro

Na primeira metade deste ano, quase um terço de tudo o que setor exportou destinou-se ao país asiático, esmagadoramente produtos ligados à indústria alimentar. Até onde irá o “apetite” chinês? Há razões para otimismo, mas não para uma euforia displicente.

A dinâmica que explica o crescimento do consumo não se esgotou. A economia chinesa seguirá expandindo-se, a população crescerá pelo menos até 2030, o fluxo campo-cidade deve manter-se acima de 10 milhões ao ano e o aumento da renda, somado à urbanização, continuará induzindo mudanças no padrão alimentar (mais proteína animal e lácteos).

Do lado da oferta, obstáculos virtualmente insuperáveis inibem a expansão da agropecuária chinesa: terras agricultáveis no seu limite físico, estrutura fundiária fragmentada e um passivo ambiental (reconhecido pelo governo) que afetou solo, rios e lençóis freáticos.

Estudo do Departamento de Agricultura dos EUA, de 2014, com projeções até 2023, prevê que as importações de carne bovina e suína acumulariam, cada qual, aumento de quase 60% no período, acompanhadas por crescimento discreto das importações de carne de aves. Para a soja, a importação estimada é de cerca de 112 milhões de toneladas em 2023, equivalente a 75% do total mundial. Também para o milho, o crescimento previsto é dramático, fazendo supor o fim da política chinesa de autossuficiência para o cereal. No açúcar, diversas análises apontam para o declínio da produção doméstica e aumento da demanda. São dados animadores, mas que não devem induzir à acomodação.

O agronegócio brasileiro está exposto, numa escala sem precedentes, aos movimentos e humores do mercado chinês.

O caso da soja é preocupante: 75% do total exportado em 2015 destinou-se à China. Há outras vulnerabilidades. O rigor na aplicação das normas sanitárias e fitossanitárias pelas autoridades chinesas (às vezes justificável, outras nem tanto) provoca súbitas interrupções do fluxo comercial, como ocorreu com o milho e o frango americanos e com a carne bovina brasileira. Disfunções do sistema de preços mínimos geram surtos de importação, logo seguidos de medidas “corretivas”, com consequente insegurança para o exportador. Foi o caso do milho no início deste ano e, agora, do açúcar. E há que se ter em conta a existência de concorrentes de peso (EUA, UE, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Tailândia), alguns deles com acesso preferencial ao mercado chinês.

A lista não é exaustiva. A aprovação de novos eventos de OGM e as preocupações da China com sua segurança alimentar mereceriam capítulos à parte.

Nenhum desses riscos colaterais deve ser motivo de desestímulo. O que se requer é atenção e cuidado redobrados. A aposta na China ficou alta demais para não merecer tratamento diferenciado. Começando pelo setor privado, é espantoso constatar que se contam nos dedos da mão as empresas brasileiras do agronegócio que mantêm representação presencial em Pequim. As associações de classe, por sua vez, estão inteiramente ausentes, excetuada uma representação quase fictícia da CNA. O quadro é insólito para um comércio de dezenas de bilhões de dólares e quando se constata a presença, em Pequim ou outras cidades, de associações de classe americanas (de soja e de carnes, entre outras), independentemente da força dominante das tradings. Conclui-se, como dizem alguns, que o Brasil não “vende”, o Brasil é “comprado”. É urgente mudar essa atitude.

É necessário mudar também a forma desatenta com que o setor vislumbra seu próprio futuro. Projeções de demanda, como as citadas acima, têm valor limitado para o Brasil, se não se buscar compreender o que será a futura competitividade brasileira face aos concorrentes, operando em condições diferenciadas de custos e de acesso. Faltam estudos nessa linha.

No plano governamental, a incapacidade de ação no quesito logística é o retrato de um Brasil sem fôlego para investir e enredado em suas próprias amarras ao tentar atrair quem invista. Mesmo com uma infraestrutura de transportes mais eficiente, a distância geográfica, por si só, já colocaria o Brasil em desvantagem. Não é preciso dizer mais.

Se resultados nessa área não são viáveis a curto prazo, há espaço para ações na categoria “melhores práticas”, duas em particular. O sistema brasileiro de inspeção e certificação sanitária, embora satisfatório, tem que estar submetido a permanente aperfeiçoamento. Falhas podem redundar no fechamento do mercado por meses ou anos e não faltarão interessados em explorar a situação.

Na vertente política, a construção da confiança recíproca requer visitas anuais do ministro da Agricultura à China, prática que teria que estar complementada por frequentes convites a ministros e outras autoridades chinesas para conhecerem de perto a excelência alcançada pelo Brasil no setor. Na China, barreiras ao acesso podem ser científicas ou técnicas no seu embasamento, mas são políticas no seu tratamento.

É imperativo, até mesmo para melhor compreender a própria China, explorar comercialmente outros espaços na Ásia. O recente périplo do ministro Blairo Maggi, inédito em sua cobertura geográfica, requer continuidade.

Até onde se pode prever, a China continuará gerando demanda e absorvendo o que o Brasil tiver a ofertar a preços competitivos. Mas o agronegócio brasileiro ainda não se deu conta de sua própria dimensão nem parece preocupado em articular ação externa compatível com a escala de seus interesses. É possível fazer melhor.

Valdemar Carneiro Leão foi embaixador do Brasil na China.

Fonte: Portal do Agronegócios

Comentários

comentários

Tente de novo

Justiça Federal nega tentativa da defesa e confirma legalidade de escutas na Lama Asfáltica

3ª Vara também reafirmou competência para julgar desvios de verba do BNDES O juiz da ...