quinta-feira , abril 19 2018

PROJETO MUDA A REALIDADE DE IDOSOS QUE VIVEM NO ABRIGO DE BELA VISTA

Área cultivada na chácara do Abrigo de Bela Vista (Foto: Alana Neto)

No município de Bela Vista, interior de Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, uma parceria entre quatro entidades está mudando a realidade dos idosos que moram na Associação Evangélica de Proteção aos Desamparados de Bela Vista, mais conhecida como Abrigo de Bela Vista.

A entidade vem cuidando de pessoas em situação de vulnerabilidade social desde sua fundação em 1952.  Atualmente, devido às mudanças nas políticas de assistência social, a casa atende apenas idosos e vem se adaptando para seguir os critérios das legislações vigentes.

Estão sob a tutela do Abrigo 16 idosos que recebem assistência 24 horas. Existe demanda para abertura de novas vagas, pois é a única instituição do gênero na região. Entretanto, a entidade passa por dificuldades financeiras, e devido a isso, não é possível receber mais pessoas. A renda do Abrigo é proveniente de doações da comunidade local, e alguns convênios federais e estaduais, que direcionam esporadicamente recursos, sendo que no último ano não houve nenhum repasse público.

“A população sempre foi amiga do Abrigo de Bela Vista, temos vários doadores, mesmo assim a despesa é alta. Os abrigados recebem cinco refeições diárias. Também temos despesas com mediação porque muitos chegam aqui bem debilitados e nós prestamos todo o atendimento necessário”, conta a diretora da entidade, Leda Marina de Castro Pinto.

Mobilizador do SENAR/MS em Bela Vista, Élvio Rodrigues; presidente do Sindicato Rural, Dindo; Alana Neto, agrônoma do SENAR/MS, responsável pela implantação do projeto e moradora do Abrigo.
Élvio e Alana do SENAR/MS com moradoras do Abrigo de Bela Vista.

Para ajudar na manutenção da instituição, que exerce papel de extrema relevância em Bela Vista e nos municípios nos arredores, o Sindicato Rural de Bela Vista, a diretoria do Abrigo, a Famasul, o Senar/MS e o 10º RC MEC (Regimento de Cavalaria Mecanizado) de Bela Vista, se uniram e criaram o Projeto Qualidade de Vida e Renda – Terra Boa – Abrigo de Bela Vista, que tem como objetivo o cultivo de hortaliças, leguminosas e frutas, que serão destinadas para enriquecer a alimentação dos idosos. “O excesso da produção poderá ser comercializado e a renda destinada para as despesas e manutenção da entidade. O projeto também incluí o cultivo de plantas medicinais e mais para frente vamos trabalhar com paisagismo na área. É possível integrar várias ações no local”, explica a agrônoma Alana Neto, que faz parte da equipe responsável pela implantação do Projeto Qualidade de Vida e Renda – Terra Boa – Abrigo de Bela.

Na área estão sendo cultivados tomate, repolho, beterraba, berinjela, agrião, alface, acelga, brócolis, couve-flor, abóbora, milho verde, abacaxi, melancia, maracujá e outras espécies de frutas, verduras e legumes.

“Nós, da direção do Abrigo, estamos muito felizes e empolgados com a implantação do projeto. Era um sonho antigo poder produzir alimentos que vão melhorar a qualidade nutricional das nossas refeições. O projeto também é totalmente sustentável, isso é bem importante. Além disso, a horta para os idosos, acaba sendo uma atividade terapêutica. Eles vão até lá, caminham entre os canteiros. Até os que estão na cadeira de rodas são levados pelos demais. Esse contato faz bem para todos”, destaca a diretora Leda Marina.

O 10º RC MEC de Bela Vista vai ofertar mão de obra militar para a manutenção da horta. “O projeto também vai servir para orientação e capacitação de agricultores familiares, produtores urbanos e outras pessoas que estejam interessadas em aprender as técnicas/manejo que envolvem a horticultura”, comenta a agrônoma Alana.

Para o presidente do Sindicato Rural de Bela Vista, Leandro Mello Acioly,  o projeto é um exemplo que deve ser seguido por outras entidades sem fins lucrativos, que visam o atendimento e a assistência de idosos, crianças, pessoas com deficiência ou com algum tipo de enfermidade, e outras situações de vulnerabilidade.  “É nosso dever colaborar com o bem-estar social. O abrigo é de extrema importância para àqueles que chegam em determinada idade e não podem contar com a família, ou muitas vezes são abandonados. Para nós do Sindicato Rural é uma satisfação poder colaborar”.

Fonte: Sindicato Rural de Bela Vista

Escrito por: Laura Samudio Chudecki

Fotos: Alana Neto

 

Fonte: sindicatoruraldebelavista.com.br

Comentários

comentários

Tente de novo

Lula tem último recurso negado pela Justiça e vai continuar preso

Por 3 a 0, desembargadores do TRF4 não aceitaram embargos da defesa em 2ª instância.Lula ...