Por que a saída de Neymar da Europa incomoda e as de Messi, CR7 e Benzema não?

Reprodução Internet

Neymar está fazendo as malas para sair de Paris, na França, e se mudar para Riad, capital da Arábia Saudita. O acordo firmado com o Al-Hilal, comandado por Jorge Jesus, e a despedida do jogador no futebol europeu aconteceram antes do que os torcedores esperavam.

Nas redes sociais, os fãs lamentaram a ida do craque para uma liga que ainda está em desenvolvimento. No entanto, o caminho traçado pelo atacante é ao mesmo tempo similar e muito distinto daquele feito por outros grandes nomes do futebol, como Cristiano Ronaldo, Benzema e Messi, que também se despediram do Velho Continente. Então por que a cobrança é tão grande com o brasileiro?

Idade

O primeiro fator que gerou incômodo entre os torcedores sobre a ida de Neymar para um time saudita é por conta da idade. Diferentemente dos outros três jogadores, aos 31 anos o brasileiro ainda é jovem para atuar em uma liga de menor relevância no cenário mundial do futebol.

CR7 foi o primeiro craque a aceitar a fortuna do fundo árabe e, em janeiro de 2023, passou a defender o Al-Nassr, também da Arábia Saudita. Mas o português tem 38 anos e caminha para a aposentadoria. Ainda: o projeto oferecido para o atacante lusitano contemplava a possibilidade de ele ser o embaixador da candidatura do país para sediar a Copa do Mundo de 2030.

Menos de seis meses depois, foi a vez de Karim Benzema anunciar a saída da Europa. O destino era o mesmo de Cristiano Ronaldo, a Arábia Saudita, mas para atuar pelo Al-Ittihad. Aos 35 anos, com poucos anos de carreira restantes, o francês aceitou a proposta saudita para receber R$ 1,06 bilhão por ano e deu adeus ao Real Madrid depois de 14 temporadas.

Em seguida, foi a vez de Lionel Messi, de 36 anos, tomar outros rumos na carreira. O argentino foi o único grande nome que decidiu não se mudar para o Oriente Médio, mas sim para os Estados Unidos, para defender o Inter Miami.

O clube disputa a MLS, a liga americana de futebol, que também está em desenvolvimento e não é tão competitiva quanto outros torneios da Europa.

Liga dos Campeões

Na época em que defendeu o Barcelona, o brasileiro conquistou a sonhada e disputada Liga dos Campeões na temporada de 2014/2015. O título proporcionou ao clube catalão a ida para o Mundial de Clubes da Fifa e a vitória na final contra o River Plate, o que garantiu mais um troféu para a prateleira.

Ele se transferiu para o Paris Saint-Germain para vencer o torneio continental com a camisa francesa, mas falhou na missão. Por isso, o brasileiro possui apenas uma Liga dos Campeões no currículo depois de dez anos no futebol europeu.

Em comparação, Benzema, Cristiano Ronaldo e Messi ergueram a taça mais importante da Europa ao menos quatro vezes mais que o brasileiro. O francês e o português estão empatados como maiores vencedores.

Com a camisa do Real Madrid, Benzema foi pentacampeão da Liga, nas temporadas de 2013/2014, 2015/2016, 2016/2017, 2017/2018 e 2021/2022. Nas cinco ocasiões, ele foi campeão do mundo com o time espanhol. Já CR7 foi campeão em 2007/2008, com o Manchester United, e em 2013/2014, 2015/2016, 2016/2017 e 2017/2018, com o time merengue.

Menos vitorioso, mas com um retrospecto admirável, o argentino foi campeão da Europa nos anos de 2005/2006, 2008/2009, 2010/2011 e 2014/2015, com o Barcelona. Os catalães foram campeões do Mundial em 2009, 2011 e 2015 — o último, com Neymar.

Bola de Ouro

O terceiro aspecto que deixa os torcedores com “gostinho de querer mais” com Neymar na Europa é o número de Bolas de Ouro que cada um venceu. Com passagem pelo Barcelona e pelo PSG, o brasileiro viveu o auge da carreira na temporada de 2014/2015, quando marcou 39 gols em 51 jogos, mas permaneceu como coadjuvante na premiação.

Benzema, por outro lado, ergueu a bola dourada em 2022, Messi foi o melhor em sete oportunidades (2009, 2011, 2012, 2013, 2016, 2019, 2021), e Cristiano Ronaldo, em cinco (2008, 2013, 2014, 2016 e 2017). O prêmio foi criado pela revista francesa France Football.

O mesmo aconteceu com o The Best, da Fifa. Enquanto Neymar foi o terceiro colocado do prêmio nos anos de 2015 e 2017, Messi venceu sete vezes, e Cristiano Ronaldo, cinco.

Na segunda-feira (14), o novo camisa 10 do Al-Hilal realizou exames médicos em Paris para assinar o acordo com o time saudita e logo viajar para a Arábia Saudita. A apresentação do brasileiro no clube deve acontecer nesta quarta-feira (16). Na equipe, ele será treinado por Jorge Jesus e terá o brasileiro Malcom como companheiro de time.

Fonte: esportes.r7.com