Traficante que era matador de facção baiana é entregue à polícia em Corumbá

Caio no momento em que foi entregue à Polícia Militar de Corumbá (Foto: Ercel Puerto Quijarro | Diário Corumbaense)

O traficante Caio Vinícius Fogaça das Neves, 38 anos, foi entregue à Polícia Militar de Corumbá, cidade a 428 quilômetros de Campo Grande, na manhã desta terça-feira (6). Ele é apontado como matador de uma facção criminosa na Bahia e estava foragido desde o dia 17 de janeiro, quando foi alvo de ação policial na casa onde morava com a família no Jardim Colúmbia, na Capital.

Caio foi encontrado e preso em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, durante uma operação policial no último sábado (2). Ele estava andando pela área do “terceiro anillo”, que fica entre as regiões da Alemanha e a Mutualista. Quando foi abordado, apresentou identidade falsa e ao ser questionado, apresentou versões contraditórias.

Ele então foi levado para a Felcc (Força Especial de Combate ao Crime) e quando a polícia boliviana recebeu as informações sobre o nome verdadeiro do traficante, efetuou a prisão.

Para a transferência de Caio para o Brasil, foi montada uma força-tarefa e ao chegar na área de fronteira com Mato Grosso do Sul, ele passou pelo setor de Imigração da Bolívia e depois foi entregue aos militares na linha internacional. Ele foi então conduzido até Corumbá, onde ficará à disposição da Justiça.

Caio foi encontrado em Santa Cruz de La Sierra no último sábado (Foto: El Deber)

Caio foi encontrado em Santa Cruz de La Sierra no último sábado (Foto: El Deber)

Ficha – Fogaça figurou por diversas vezes no noticiário policial da Bahia em uma época marcada pela violência na disputa pelo tráfico de drogas, entre 2015 e 2017. Ele faz parte de uma facção criminosa liderada por Aldo Berto Castro, conhecido como Delton, e é suspeito de praticar crimes com requintes de crueldade, além do tráfico de drogas. Caio foi protagonista de duas fugas de presídio.

Em maio de 2017, simulou estar passando mal, foi levado ao Hospital Geral de Vitória da Conquista, onde aproveitou um descuido para fugir da prisão pela segunda vez. Somente em junho de 2018, ele foi encontrado na cidade de Ponta Porã.

Já em 2018, o coordenador da 22ª Coorpin (Coordenadoria de Polícia do Interior), delegado Clécio Magalhães, informou à Agência Sertão que Caio tinha três mandados de prisão em aberto somente naquela época. “Ele [Caio] é considerado um homem de alta periculosidade, sendo responsável por vários homicídios ocorridos no período de seis meses, em Guanambi. As investigações apontaram que os crimes foram motivados pelo tráfico de drogas”, disse Clécio.

No Colúmbia – A casa onde Caio morava com a família, na Rua Pindaré, Jardim Colúmbia, foi alvo de ação policial no dia 17 de janeiro deste ano. Na ocasião, o homem viu a equipe policial pela câmera de segurança do imóvel e fugiu. Os policiais foram atendidos pela esposa do traficante, Naiara dos Santos Silva, 24 anos.

Na residência, a polícia encontrou no imóvel R$ 700 mil em cocaína do tipo “crystal” ou “escama de peixe”, com alto teor de pureza. Além disso, havia objetos para a preparação do entorpecente, inclusive uma prensa. Naiara acabou sendo presa em flagrante. Em depoimento, ela contou que a droga pertencia ao marido e que ela não tinha acesso ao local onde o entorpecente ficava.

A jovem passou por audiência custódia no dia 19 de janeiro e teve a prisão preventiva decretada, no entanto, dia 2 de fevereiro ela teve a liberdade provisória concedida, mas está sendo monitorada por tornozeleira eletrônica. A bebê de 7 meses do casal foi entregue ao Conselho Tutelar.

Pacotes de cocaína e objetos usados para o tráfico encontrados na casa de Caio (Foto: Reprodução)

Pacotes de cocaína e objetos usados para o tráfico encontrados na casa de Caio (Foto: Reprodução)

CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS